domingo, setembro 28

TENTANDO DESEMBARAÇAR


Tenho recebido alguns e-mails questionando minha escapada da net. Nos primeiros dias do sumiço, confesso, fiquei um pouco chateada, acabei nem respondendo a todos.
Com o passar do tempo e a insistência dos amigos fui pensando, matutando e, aos poucos, voltando ao mundo virtual.
Acho que preciso explicar o que houve, ou, o que acontece quando dou essas sumidas, tentarei desembaraçar esse novelo.
Vou tentar simplificar com um exemplo:
São 8 horas da manhã, acordo, ligo o micro e vou lavar o rosto, escovar os dentes, tomar meu café da manhã.
Volto e abro o Outlook, chegam mensagens e mais mensagens, diversas, de todos os tipos. Eu vejo a carreirinha de e-mails aumentando, aumentando...
Leio um ou dois e me dá uma sensação ruim, tenho a impressão que vou passar a manhã toda lendo e respondendo e-mails e comentários do blog.
Fecho rapidamente o correio sem responder nada.
Abro o MSN (offline, claro) e vejo uma carreira de pessoas online, todas são pessoas queridas. Imagino que, se eu ficar online, não faço mais nada da vida. Fecho o MSN.
Abro o Orkut, uma porção de recados a serem respondidos. Penso: se eu responder pra uma pessoa, as outras todas podem ver e não vai ser legal. Fecho o Orkut.
Vou ler as notícias: só vejo coisas ruins. Fecho mais depressa ainda.
Penso em dar uma olhada nos blogs amigos, mas, se eu entrar eles vão saber que li e não comentei, a maioria tem dedo-duro. Melhor então nem ler.
Resolvo abrir o jogo de paciência e jogar por algum tempo, e é o que faço. Construo uma casinha nova no Myminilife (amo).
A sensação é que o computador me toma tempo demais, que minha vida precisa ser vivida e não dá pra ficar papeando. Tem casa pra cuidar, roupa pra lavar, comida por fazer, filhos para dar atenção, etc...
Essa sensação ruim piora dia após dia e a cada um deles me mantenho ainda mais distante do micro.
Decido então colocar uma aviso que estou OFF para ninguém achar que é falta de atenção, mas este aviso me rende ainda mais algumas dezenas de e-mails.
Alguns dias se passam e os e-mails começam a rarear, os recados do Orkut e no MSN a maioria se mantém offline.
Eu me dedico a outras coisas para passar o tempo, vejo algumas séries na TV, filmes, leio alguma coisa, ajeito outras dentro de casa e assim vou afastando a sensação de inutilidade que o micro me dá.
Esta não foi a primeira vez que me aconteceu isso e claro que não será a última, mas cada vez que isso acontece, eu consigo resolver várias coisas, seja na Net, na cabeça, no coração ou dentro de casa. Queria que todos entendessem que é realmente uma impossibilidade minha estar On quando bate essa crise.
O que está acontecendo agora? De repente me deu vontade de voltar, rever as pessoas queridas que deixei por aqui, mas com a cabeça mais aliviada e pronta pra recomeçar a doideira dessa vida virtual.
Portanto amigos, aqui estou eu, devagar, mas chegando. Meus sumiços não são falta de gostar, de carinho ou atenção, é realmente uma crise interna que precisa ser resolvida. Continuo amando todos vocês, do mesmo jeitinho de sempre.

Um comentário:

Carol, pros íntimos. disse...

Querida Vera:

Fico muito feliz por tê-la encontrado nesse momento, que retorna pra esse mundinho tão especial. Sabe que as vezes tenho essa mesma necessidade de sumir um pouco.
Acontece que já fui muito viciada nisso tudo e acabei sofrendo as conseqüências por conta disso. E gato escaldado tem medo, não é? Hoje venho com moderação, em doses homeopáticas. Não deixo mais de fazer minhas coisas, não me privo de mais nada, a custa de horas em frente a essa tela.
O blog é tipo terapia, sugerido pela minha psicóloga. Foi um meio que encontrei de “colocar pra fora” tudo que penso, sinto e vivencio, no dia a dia. Até pq acho muito fascinante esse mundo virtual, que nos permite conhecer pessoas tão diferentes, de mundos tão opostos ao nosso. Enfim, acredito que dessa vez esteja no caminho certo.
Adorei saber que tua nora é daqui. Assim, quem sabe, qdo vieres a POA possamos nos encontrar. Que tal?
Tenha uma ótima semana!

Beijos

Carol